Quando e como começou a crise económica em Angola?

Quando começou a crise em Angola?


A crise económica em Angola teve início em finais de 2014, estando o país ainda sob o governo do antigo presidente da República José Eduardo dos Santos.

Entretanto, os seus efeitos foram se agravando a cada ano, trazendo consigo várias consequências à economia nacional e a sociedade.

A baixa do preço do barril de petróleo ficou marcado como a principal causa da crise que se estabeleceu no país (você saberá mais sobre isso ao longo do conteúdo).

Leia depois:

Como ocorreu o início da crise económica em Angola?

Uma crise económica ocorre quando o sistema económico de um país enfrenta um momento de escassez de recursos que garantem a sua sustentabilidade. Em Angola não ocorreu diferente.

Durante muito tempo, Angola teve o petróleo como o principal recurso para a sustentabilidade do país, com o barril assumindo o incrível preço de entre USD100 a USD120, o que estava prestes a cair de forma drástica.

Durante os 10 anos que intermediaram os anos de 2004 e 2014, Angola se destacou na lista dos países com maior crescimento em África.

No entanto, em 2014, uma sequência de acontecimentos desastrosos foram constatados, d’entre eles: a queda do barril de petróleo de USD110 para USD39, a suspensão da linha de crédito com o Brasil, a redução dos investimentos da China por conta de uma crise etc., estes acontecimentos antecederam o anúncio da crise económica em Angola, ainda em 2014.

Porém, d’entre todos estes acontecimentos a queda do preço do petróleo foi, e é, até aos dias de hoje o mais alarmante, pelo facto de que o petróleo sustentava fortemente o país, gerando a maior receita para economia nacional.

Por conta disso, a queda do preço do barril de petróleo foi visto como a principal causa da crise económica e financeira em Angola.

A queda do preço do barril de petróleo trouxe consequências graves para a economia de Angola e em especial para o produto interno bruto (PIB).

Quando se poderá “ultrapassar” a crise em Angola?

Não existe uma fórmula para acabar com a crise em Angola. A crise é um fenómeno que pode ocorrer repentinamente e tão rápido, porém, acabar com este fenómeno pode durar anos, assim como é a realidade de Angola. “Estamos há anos de crise”.

A verdade é que, até ao momento, ninguém pode garantir que à uma certa data a crise em Angola será ultrapassada,  pois isso não depende da vontade dos angolanos, mas sim, de vários factores que se desenvolvem com o tempo, a medida que vão-se criando novas estratégias com este propósito.

Sabemos quando começou a crise em Angola, mas não sabemos quando irá terminar.

Por sorte, algumas estratégias que visam acabar com a crise em Angola já podem ser vistas, apesar de muitas não apresentarem garantias de sucesso e resultados imediatos (é preciso tempo).

O país tem agora um novo plano para atrair o investimento estrangeiro, a aposta no sector do turismo é uma prioridade para diversificação da economia nacional, o combate a corrupção (que também tem causado sérios problemas a economia nacional) é uma realidade constatada, etc.

Estas e várias outras medidas adoptadas pelo governo para combater a crise em Angola, poderão surtir efeitos mesmo que a longo prazo, e além do mais, tornarão Angola num país que não dependerá apenas do petróleo para manter estável a sua economia, assim como vários outros países a nível do mundo, muitos dos quais, nem têm petróleo.

Em tudo isso, e para concluir, o que nos resta como sociedade é esperar que estas medidas tragam efeitos sobre a economia do país e consequentemente, à vida das populações.

Leia também:

Compartilhe o artigo
error: Conteúdo protegido !!